Fototerapia com raios UVB

Fototerapia com raios UVB

A luz que me ilumina – Fototerapia contra doenças de pele

Doenças como psoríase e vitiligo não são contagiosas nem representam qualquer tipo de ameaça para outras pessoas. No entanto, como se tratam de doenças que aparecem na pele, elas causam uma má impressão, levando inclusive ao preconceito e receio contra as pessoas que possuem essas condições. Felizmente, com o avanço da tecnologia médica, já existem alternativas para essas incômodas doenças. Uma das mais sofisticadas é a fototerapia.

A fototerapia é realizada através de uma máquina, que utiliza frequências de ondas de luz específica. Esse espectro de luz age de maneira controlada sobre a pele, inibindo essas doenças. Entre os espectros projetados, a máquina também utiliza os raios UVB de luz, que combatem a inflamação e colaboram na regeneração da pele danificada pela psoríase, vitiligo ou outras doenças.

A diferença da utilização dos espectros de luz é a necessidade do paciente. As lâmpadas de UVB emitem ondas de 290 a 320 nanômetros de comprimento. Entre as lâmpadas de UVB, também existe uma distinção: o UVB de banda larga e o UVB-NB, de banda estreita., que emite ondas de 311 a 312nm de comprimento. Os raios UVB normalmente são a primeira opção dos médicos, pois oferecem menos riscos e dispensam o uso de medicamentos associados.

O tratamento com fototerapia é altamente indicado para casos de psoríase em mais de 10% do corpo e até 100%, chamada psoríase eritrodérmica; quando aparecem constantes novas lesões, inviabilizando os cremes e pomadas, chamada psoríase instável; pacientes que possuem restrições de medicamentos, como em caso de HIV, hepatite B e C, ou com baixa imunidade; combinada com tratamentos sistêmicos ou tópicos, quando há resistência ou para acelerar o controle da doença; ou para pacientes que não têm condições de arcar com os custos de pomadas e cremes para psoríase.

Por relativamente complexo, esse procedimento só pode ser aplicado por um profissional qualificado em um ambiente controlado. Isso porque a fototerapia precisa de sessões constantes, com frequência de no mínimo algumas semanas, para poder realmente fazer efeito.

O mais comum é que os resultados apareçam, em média, após três meses de tratamento, de duas a três sessões semanais. Esse tempo, como dito, pode variar de acordo com a doença e as necessidades particulares do paciente. Mas, em qualquer caso de doenças de pele, o ideal é procurar um especialista, que possa fazer o diagnóstico correto e determinar se é necessário o uso de raios UVB contra ela.

Ilumine-se contra as doenças de pele. Conheça os benefícios da fototerapia. Entre em contato com a Clínica IDEAL e agende sua consulta para saber mais sobre esse revolucionário tratamento.